“Alma Gêmea”

Veja a mensagem “Alma Gêmea” do Espírito Emmanue e reflital:
.

.
“Alma gêmea da minhalma,
Flor de luz da minha vida,
Sublime estrela caída
Das belezas da amplidão!…
Quando eu errava no mundo
Triste e só, no meu caminho,
Chegaste, devagarinho,
E encheste-me o coração.
Vinhas na bênção dos deuses,
Na divina claridade,
Tecer-me a felicidade,
Em sorrisos de esplendor!…
És meu tesouro infinito,
Juro-te eterna aliança,
Porque eu sou tua esperança,
Como és todo o meu amor!”

 

Escreva um comentário

 
 


 

“Dez maneiras de amar a nós mesmos”

Armando Falconi fala sobre a mensagem “Dez maneiras de amar a nós mesmos”
.

 

Escreva um comentário

 
 


 

“Corrente do Bem”

Veja a mensagem retirada do Boletim Esperança de Rafael Rodrigues, intitulada “Corrente do Bem”:
.

.
Assisti, há pouco tempo, a um filme em que um professor perguntava a seus alunos como eles, apesar de crianças, poderiam mudar o mundo para melhor.
Após o impacto inicial, um deles sugeriu a “corrente do bem”: ele iria fazer uma coisa muito boa, para três pessoas, as quais não teriam como fazer isso por si mesmas. Em contrapartida, as pessoas beneficiadas deveriam fazer o mesmo por mais três pessoas e assim por diante. Com o crescimento exponencial dessa pirâmide do bem, seria uma questão de tempo até que toda a população do planeta fosse afetada pela generosidade. A conclusão do filme é que, por serem contagiantes, as boas ações podem transformar o mundo. Por menor que seja a nossa idade, disponibilidade de tempo, dinheiro, recursos intelectuais, e até saúde, podemos fazer diferença, basta querer. Ninguém discorda que um sorriso chama outro e um gesto malcriado tende a gerar uma resposta desaforada. O que os nossos olhos não veem é que as reações se exteriorizam em emanações que se comportam como ondas em um oceano de fluidos vibratórios, em um indo e vindo infinito.

Quando Jesus ensinou acerca da necessidade de responder uma agressão com o perdão, Ele nos aconselhou a interromper as ondas negativas que nos alcancem, revertendo-as, quando capazes, em positivas. A melhor resposta à agressão é o gesto de compaixão e gentileza. Somos como feixes de luz e nos ligamos uns aos outros pela nossa energia, por isso cada vez que temos uma atitude positiva melhoramos o mundo todo. A regra é clara: só um sentimento é capaz de criar outro, que tenderá a ser bom ou ruim de acordo com a natureza daquele que lhe deu origem. Se desejo um mundo feliz, preciso, sobretudo, vibrar positivamente, pois as minhas palavras e ações podem muito menos do que os sentimentos que estão por trás delas.

Não há riqueza mais valiosa do que a nobreza do sentir. Por maior que seja o monte de coisas que consigamos reunir em uma vida, por não terem significado profundo, jamais produzirão a felicidade que encontramos quando praticamos a caridade, por exemplo. Ao tempo em que gradativamente nos priva dos sentidos do corpo, a idade tende a ampliar o nosso bom senso, abrindo-nos os “olhos de ver” e ensinando a atentar menos à aparência e mais à essência. Comprometer-se com o Bem, elevar os pensamentos e cultivar sentimentos nobres, essa é a lição que fica.

 

Escreva um comentário

 
 


 

“Defenda-se”

Armando Falconi fala sobre a mensagem “Defenda-se”
.

 

Escreva um comentário

 
 


 

Reunião Mensal de saúde e autoconhecimento

Nesta terça, 21 de outubro, ocorrerá a reunião mensal de Saúde de autoconhecimento na FEAK, às 18h30min.
Compartilhe, compareça e traga seus amigos e familiares!

 

Escreva um comentário

 
 


 

Como surgiu o interesse de Kardec pela Doutrina dos Espíritos

Reflita como surgiu o interesse de Kardec pela Doutrina dos Espíritos e O Livro dos Espíritos

.

.
.

Saiba o que levou Kardec a escrever o livro dos espíritos, causando assim o próprio surgimento do Espiritismo. Esse resumo se baseia nas anotações de Allan Kardec.
A História do Espiritismo Codificado por Kardec
A primeira vez que Allan Kardec ouviu falar sobre o que viria a ser o espiritismo, foi em 1854 através de um amigo, chamado Fortier. Na época, pessoas estavam abismadas com a movimentação de mesas pesadas em pleno ar, entre os circundantes. Esse mesmo amigo, após algum tempo informou ao Kardec que as mesas estavam respondendo as perguntas por meio de batidas, como um Código Morse.
Kardec não acreditou que a mesa pudesse responder, pois mesa não tem uma unidade cerebral. Embora essa crença, lhe chegavam mais relatos oriundos de pessoas dignas de confiança, o que lhe deixava mais pensativo.
No outro ano, já no começo de 1855, encontrou o Sr. Carlotti, entusiasmado com o fenômeno. Com o tema já bem mais amadurecido pelas experiências, revelou ao Kardec que eram os espíritos que se comunicavam através das mesas.
Primeira Reunião Mediúnica de Allan Kardec
Em maio, um conhecido funcionário público, de nome Sr. Pâtier, lhe causou profunda impressão ao descrever sua experiência e convidou Kardec para presenciar uma reunião na casa de Sra. Plainemaison.
Kardec, pela primeira vez esteve diante de uma assembleia desse tipo e os fenômenos observados lhe fizeram perceber que estava diante de um fato muito importante, até então tido como diversão para os outros, mas que poderia se constituir uma verdadeira revelação.
Sendo homem de estudos, Kardec aplicou a essa nova ciência, métodos experimentais, nunca utilizando ideias preconcebidas. Dos efeitos observados buscava descobrir as causas. Dessas experiências percebeu o que chamou de a chave do passado e do futuro da humanidade e toda uma revolução de ideias.
O Surgimento do Primeiro Livro espírita
A princípio, Kardec buscou se instruir, mas a medida que mais respostas eram obtidas ele viu que as informações constituíam um todo e ganhavam proporção de doutrina. O desenvolvimento mais completo dessas questões se tornariam a base para O Livro dos Espíritos.
Antes de publicar, Kardec ainda submeteu o livro espírita ao exame de outros espíritos, buscando uma segunda e terceira opiniões sobre questões consideradas mais “espinhosas”, contanto ao longo do processo com a ajuda de mais de dez médiuns. O fruto desse trabalho, e marco do início do Espiritismo foi a publicação de O Livro dos Espíritos em 18 de abril de 1857.

 

Escreva um comentário

 
 


 

“Em seu benefício”

Armando Falconi fala sobre a mensagem “Em seu benefício”
.

 

Escreva um comentário

 
 


 

“A Cor do Mundo”

Veja a Redação do Momento Espírita intitulada “A Cor do Mundo” e reflita:

.


.
O ancião descansava, sentado em velho banco à sombra de uma árvore, quando foi abordado pelo motorista de um automóvel que estacionou a seu lado:

– Bom dia!

– Bom dia! Respondeu o ancião.

– O senhor mora aqui?

– Sim, há muitos anos…

– Venho de mudança e gostaria de saber como é o povo daqui. Como o senhor vive aqui há tanto tempo deve conhecê-lo muito bem.

– É verdade, falou o ancião. Mas, por favor, me fale antes da cidade de onde vem.

– Ah! É ótima. Maravilhosa! Gente boa, fraterna… Fiz lá muitos amigos. Só a deixei por imperativos da profissão.

– Pois bem, meu filho. Esta cidade é exatamente igual. Vai gostar daqui.

O forasteiro agradeceu e partiu.

Minutos depois, apareceu outro motorista e também se dirigiu ao ancião: – Estou chegando para morar aqui. O que me diz do lugar?

O ancião, lançou-lhe a mesma pergunta:

- Como é a cidade de onde vem?

– Horrível! Povo orgulhoso, cheio de preconceitos, arrogante! Não fiz um único amigo naquele lugar horroroso!

Sinto muito, meu filho, pois aqui você encontrará o mesmo ambiente…

***

Todos vemos no mundo e nas pessoas algo do que somos, do que pensamos, de nossa maneira de ser. Se somos nervosos, agressivos ou pessimistas, veremos tudo pela ótica de nossas tendências, imaginando conviver com gente assim. Em outras palavras, o mundo tem a cor que lhe damos através das nossas lentes. (…) Se nossas lentes estão turvadas pelo desânimo, o Universo que nos rodeia se apresenta desesperador. Mas, se ao contrário, nossas lentes estão clarificadas pelo otimismo, sentiremos que em todas as situações há aspectos positivos. Se o entusiasmo é o detergente das nossas lentes, perceberemos a vida em variados matizes de luzes e cores. A cor do mundo, portanto, depende da nossa ótica. O exterior estará sempre refletindo o que levamos no interior. (…)

(Redação do Momento Espírita)

.

“A decepção é um desafio da escola humana, a fim de sabermos se estamos coerentes conosco, na seleção dos valores que se nos fazem necessários ao prosseguimento harmonioso das tarefas em que nos achamos empenhados.”

“Creio que uma consciência tranquila nada tem a temer.”

FRANCISCO C. XAVIER, do livro “Encontros com Chico Xavier”

 

Escreva um comentário

 
 


 

“Conceituação Espírita”

Veja a mensagem intitulada “Conceituação Espírita” retirada do Boletim Sei

.

.

A existência de seres angélicos figura em todas as tradições religiosas, que os apresentam como individualidades livres do erro e de todo o mal, vivenciando uma felicidade plena e inalterável, decorrente da observância integral das Leis de Deus, cujos desígnios eles recebem diretamente e executam em todo o Universo. Dentre essas tradições, algumas, como a nossa judeu-cristã, os consideram essencialmente diferentes dos homens pois eles seriam, desde sua origem, seres perfeitos e inteiramente espirituais, numa flagrante injustiça para conosco que temos de conseguir com esforço e determinação a nossa melhoria, correndo ainda o risco de sermos condenados a sofrimentos perpétuos no inferno por algum erro mais grave cometido durante a existência material embora esta seja extremamente breve quando comparada com a eternidade. É interessante lembrar, no entanto, que o perdão concedido por um ministro religioso poderia nos livrar desse destino terrível… A Doutrina Espírita veio esclarecer que não existem castas na Criação pois todos temos origem, natureza e destinação idênticas, ou seja, no princípio simplicidade e ausência de conhecimento e experiência que devem ser adquiridos por esforço próprio, sob o amparo divino, através de trajetórias pessoais diferentes, na verdade únicas, mas que têm – todas – o mesmo ponto de chegada: a perfeição. Nesse percurso, que é extenso, o ser desenvolve sua inteligência e aprimora os sentimentos em aprendizado incessante, ao longo do qual realiza estágios na matéria para a obtenção de determinadas aquisições, empregando, então, corpos que se tornam mais sutis à medida que o progresso avança e ele se transfere para mundos mais adiantados.

A literatura espírita posterior à Codificação, referindo-se aos seres dessa condição – Jesus é um deles –, reafirma a impossibilidade atual de entendermos seu modo de vida face à total ausência de analogia com o nosso, que é ainda baseado no egoísmo e no desconhecimento das bases espirituais da existência. As observações seguintes, do conhecido orientador André Luiz, dão uma idéia dessa dificuldade: “Nessa substância original, ao influxo do próprio Senhor Supremo, operam as Inteligências Divinas a Ele agregadas, em processo de comunhão indescritível (…), extraindo desse hálito espiritual os celeiros da energia com que constroem os sistemas da Imensidade” (1).

“É imperioso reconhecer,  contudo, que não podemos, ainda, em nossa posição evolutiva, formular qualquer pensamento concreto acerca da natureza e dos atributos dos Anjos, nem ajuizar quanto ao sistema de relações que cultivam entre si” (2). (“Evolução em Dois Mundos”, psicografia de Francisco Cândido Xavier; (1) primeira parte, capítulo 1; (2) segunda parte, capítulo 12). Sabemos, no entanto, que estes seres sublimes acompanham nossa morada, envolvendo-nos com sua proteção amorosa, em nome da bondade e da sabedoria de nosso Pai Celestial.

.

“O Céu e o Inferno” (Primeira Parte, capítulo 8, itens 12 a 15).

 

Escreva um comentário

 
 


 

“Em favor de você mesmo”

Armando Falconi fala sobre a mensagem “Em favor de você mesmo”
.

 

Escreva um comentário